Cerca de 80% das vagas de emprego são invisíveis. Como encontrá-las então?
Fev20

Cerca de 80% das vagas de emprego são invisíveis. Como encontrá-las então?

Na hora de procurar uma oferta de trabalho e proceder à candidatura a uma vaga, não é certo que se tenha acesso a todas as oportunidades disponíveis. O mais provável é que a maioria dos anúncios de emprego não seja publicada online. São as chamadas ofertas de trabalho invisível. A publicação espanhola Expansión, revela que 80% das ofertas reais de emprego são invisíveis ou seja, não chegam ao conhecimento do candidato comum. São vagas que são anunciadas de forma interna nas empresas ou através de uma rede de contatos restrita. O diretor geral da Experis – ManpowerGroup, empresa de Recursos Humanos, revela que “a maioria das ofertas são conhecidas, embora exista um mercado oculto, porque há sempre ofertas que dependem da confidencialidade e da confiança”, esclarece ao jornal espanhol. José María Gasalla, professor e especialista, afirma que as referências continuam a ter muito peso nos processos de seleção. De acordo com os conselhos de especialistas na área, há várias maneiras de conseguir contornar os obstáculos e ter acesso ao lado menos conhecido dos recrutamentos. Dicas para encontrar as vagas de emprego invisíveis 1. Defina quem é e para onde quer ir Seja claro sobre a sua marca pessoal e conheça bem os setores nos quais pretende trabalhar. 2. Os contatos são a chave O segredo, de acordo com os especialistas, é cultivar uma boa rede de contatos dentro da área para que, assim que surja uma vaga, seja informado diretamente por eles. 3. Faça uma pesquisa sobre a empresa Tente perceber de que forma funcionam os processos de recrutamento na empresa que ambiciona. Estude a metodologia, os exemplos e procure estar informado. 4. Envolva-se no meio Relacione-se com as pessoas da área, vá a eventos da indústria e aproxime-se do seu objetivo. 5. Dê-se a conhecer Utilize redes sociais como o LinkedIn de forma a mostrar o seu trabalho e criar conexões dentro da sua área. Depois dos contatos virtuais vêm os pessoais.   FONTE: Dinheiro...

Read More
Como tirar partido das novas tecnologias na procura de emprego?
Jan30

Como tirar partido das novas tecnologias na procura de emprego?

Sermos ativos, seguir publicações, bem como partilhar artigos ou notícias relevantes pode também ser uma forma de nos destacarmos e de atrair a atenção de potenciais “head hunters”. Num mundo cada vez mais global, a internet assume hoje um papel privilegiado no contexto profissional. Na ordem do dia passam a estar temas como: a exposição do perfil pessoal/profissional a um universo incomensurável de interlocutores, a facilidade de acesso à informação quanto a novas oportunidades de emprego, o acompanhamento ao minuto de novas publicações e a necessidade de tornar ágil a procura de novos desafios. Há, deste modo, cuidados a ter na forma como nos apresentamos no mundo virtual de forma a conseguirmos tirar o máximo de partido dos contactos que vamos estabelecendo. Por um lado, é sempre importante termos em mente que a separação entre o foro pessoal e profissional torna-se praticamente impossível quando as políticas de privacidade, ou a falta delas, que temos associadas às contas das nossas redes sociais permitem que qualquer interlocutor tenha acesso às publicações que partilhamos. Tendo especial cuidado com estas questões de privacidade, não poderemos nunca esquecer que uma rede de “networking” alargada faz com que a informação disponibilizada possa, ainda assim, chegar a pessoas que não conhecemos. Estas poderão eventualmente ser nossos futuros colegas, chefes… Dito isto, é sempre prudente estarmos confortáveis com a possibilidade de os perfis nas redes sociais poderem ser vistos por qualquer pessoa, sem que isso afete negativamente a reputação ou a imagem que pretendermos ter no mercado de trabalho. > Como ferramenta preferencial na pesquisa de emprego destaca-se hoje o Linkedin. Ter um perfil completo, profissional e com informação fidedigna é crucial. É absolutamente relevante que as datas das experiências profissionais correspondam à realidade, que as principais responsabilidades estejam discriminadas em cada uma das funções e que o aspeto global do perfil tenha um cunho vincadamente profissional. O alargamento contínuo da rede de contactos, adicionando profissionais da mesma área de atuação, profissionais de recursos humanos ou outros que possam ter, pelo menos aparentemente, poder decisório nas organizações, é também uma forma de conseguirmos ter acesso a mais e mais informação, facilitando a procura de novas oportunidades. Mas não apenas quando procuramos ativamente uma mudança! Numa fase de maior estabilidade profissional podemos sempre aproveitar para ir também alargando essa rede e assim facilitar potenciais buscas futuras. Uma navegação constante por esta rede social também permite um maior conhecimento do mercado, concretamente empresas que poderíamos até desconhecer e que poderão ser extremamente interessantes até para o desempenho das nossas funções atuais. Sermos ativos, seguir publicações, bem como partilhar artigos ou notícias relevantes pode também ser uma forma de nos...

Read More
4 dicas para encontrar o primeiro emprego em 2018
Jan16

4 dicas para encontrar o primeiro emprego em 2018

Há dicas que podem ajudar acelerar o processo para conseguir uma oportunidade de emprego na sua área… Sem experiência profissional torna-se mais difícil conseguir uma boa oportunidade de emprego na sua área de formação. É por isso mesmo que é importante aproveitar bem os anos que está na universidade para apostar também em estágios curriculares ou profissionais. Não é fácil sair da faculdade e procurar o primeiro emprego apenas com o currículo. Por mais que um candidato recém-licenciado tenha feito estágios, e até tenha conseguido acumular experiência na área, para ser selecionado para a vaga precisa ainda de passar com distinção na entrevista e nas dinâmicas apresentadas ao longo do processo de recrutamento. Passar estas últimas fases torna-se mais fácil com algum foco e trabalho e para isso deixamos aqui algumas dicas: Use a entrevista para demonstrar que cumpre todos com todos os requisitos mínimos exigidos A grande maioria dos recrutadores pondera fatores como o desempenho académico, as atividades extracurriculares e a vida social. Os candidatos que se destacam, são aqueles que demonstram interesse em construir carreira e que esperam subir de posto rapidamente, pois são por norma aqueles que estão dispostos a trabalhar mais arduamente. Tente comprovar todas as suas competências apresentadas no currículo nas entrevistas iniciais sejam elas presenciais ou por telefone. Lembre-se que os candidatos que se destacam nas entrevistas são aqueles que sabem apresentar exemplos reais de trabalho em equipa em vez de recorrerem a cenários hipotéticos. Conheça bem a empresa à qual se candidata Antes da entrevista não se esqueça de fazer o trabalho de casa e de estudar cuidadosamente os sites oficiais e as redes sociais das empresas às quais se candidata. Pode, por exemplo, perguntar em grupos fechados de emprego associados à área de emprego. Ainda que o tipo de informação disponível varie de empresa para empresa, é possível analisar questões importantes, como os valores ou a área de atuação e mercados. Porque é que se está a candidatar a esta vaga? Algumas empresas estão a dar preferência a recém-licenciados, muitas estão a apostar mais em colaboradores qualificados, mas é preciso que tenha vontade de vestir a camisola. Aceitar um posto de trabalho para o qual não se sente motivado ou capaz de assumir pode ser um risco, pois a maioria das empresas consegue detetar a motivação, ou a falta dela, dos seus colaboradores. Saia fora da Caixa Os empregadores valorizam candidatos sociáveis e dispostos a arriscar, saindo fora da caixa para se destacar dos restantes candidatos. Os candidatos mais ousados conseguem atingir mais facilmente os seus objetivos e metas. No mercado de trabalho, não há espaço para timidez e atitudes inseguras....

Read More
Dicas para encontrar emprego depois dos 40
Jan09

Dicas para encontrar emprego depois dos 40

Se tem mais de 35/40 anos e está desempregada, ou receia poder vir a estar nessa posição, então este artigo é para si. A ideia é tentar perceber quais são os maiores erros que cometem as pessoas que se veem nesta situação (para evitar que os perpetuem) e também ficar a saber como podem aumentar a sua empregabilidade. Afinal, um país que não consegue renovar a sua população, que está a envelhecer, não pode dar-se ao luxo de ignorar esta franja da população ativa que além de qualificada tem experiência. Sentido proibido “Mandar currículos para todo o lado, responder a todo o tipo de anúncios, procurar opções sem parar para pensar. É o erro de muitas pessoas, isso não resulta. Houve uma alteração grande na sua vida, por isso tem de haver sempre um tempo em que a pessoa tem de parar para pensar. Em vez de caminharmos sem direção certa, há que ter uma visão clara daquilo que temos para oferecer e do que queremos para delinearmos estratégias”, aconselha Alexandra Vinagre, Coach e autora do livro ‘Até Onde Quer Chegar’. Mesmo que queira manter-se na mesma área de trabalho, deve perceber como pode potenciar as suas competências. Se quiser mudar de área, convém averiguar quais são as novas competências que tem de adquirir, assegura a coach. Para Maria Emília Azevedo, Diretora Coordenadora de R&S, Outsourcing e Handling da RHMais, o erro mais comum que as pessoas desempregadas cometem é ficarem paradas e ‘fechar-se’. Laura Acciaioli, especialista em gestão de recursos humanos, Change Catalyst e, nos últimos 3 anos, Fashion Bloomer, também desaconselha as pessoas a precipitarem-se na procura um novo trabalho. A seguir a uma situação de desemprego, “o que acontece imediatamente é uma sensação de medo e insegurança, seguida de urgência em voltar a sentir segurança e tranquilidade. É uma situação que ativa todas as nossas defesas (de sobrevivência, defesa, ataque) e, se não acautelarmos determinadas atitudes, podemos perder o norte e tomar decisões precipitadas ou deixar-nos cair num estado de paralisia. Aconselho sempre uma coisa: tirar um tempo. Pode ser uns dias, um mês, vários. Este tempo é necessário, é o ‘luto’, precisamos de tempo para digerir a situação, aceitá-la, ver o que podemos ganhar com o novo cenário e planear uma solução”. Sentido obrigatório Será que eu valho alguma coisa? No que foi que eu errei? Porque de repente o meu trabalho já não tem valor? O que construí na minha vida? Estas são algumas das perguntas que assolam mesmo a pessoa mais confiante do mundo no momento em que é despedida. É sempre uma machadada na sua autoestima. Para não entrar nesta espiral, eis...

Read More
Como escrever uma Carta de Apresentação a uma empresa que não está a recrutar
Nov14

Como escrever uma Carta de Apresentação a uma empresa que não está a recrutar

A carta de motivação, também conhecida como carta de apresentação, pode ser enviada para uma empresa onde gostaria de trabalhar, mesmo que esta não tenha anunciado vagas de emprego. Este tipo de carta ou texto pode ser enviado via email, sistema de mensagens do LinkedIn, ou ainda em papel, por correio. Escrever uma carta de motivação Se possível, identifique a pessoa responsável pelo departamento onde gostaria de trabalhar e envie-lhe uma cópia da sua apresentação ao mesmo tempo que envia outra para o departamento de Recursos Humanos da empresa. Quem conhece na empresa? Antes de escrever a sua carta, reveja a sua rede de contactos para perceber se tem ligação com alguém que trabalhe na sua empresa-alvo. O LinkedIn é uma excelente ferramenta para o fazer. Por exemplo, se é licenciado, procure ex-alunos da sua faculdade que possam estar a trabalhar na empresa que lhe interessa. É um bom ponto de partida. Peça um contacto e referências Se conseguir identificar alguém da empresa na sua rede de contactos, pergunte-lhe qual a melhor forma para conseguir chegar à fala com a pessoa responsável pelo recrutamento. Se não houver departamento de recursos humanos pergunte-lhe com quem deverá entrar em contacto para mostrar o seu interesse em trabalhar naquela empresa. E se tiver confiança para isso, pergunte-lhe mesmo se pode interceder por si e indicar o seu nome para uma futura contratação na empresa. Diga também que está a escrever uma carta de motivação e pergunte-lhe se há a possibilidade de mencionar o seu nome nessa mesma carta. O que incluir na sua carta de apresentação A carta de apresentação deve começar com por explicar o seu interesse na empresa. Pode, por exemplo, dizer que o desenvolvimento da empresa despertou o seu interesse. É muito importante que refira o tipo de função e departamento em que está interessado ou a sua comunicação com a empresa irá ficar por ali. Saudação A sua carta deve começar com uma saudação profissional. Se sabe o nome da pessoa de contacto, dirija-se a ela pessoalmente. Primeiro parágrafo O seu primeiro parágrafo (depois de indicar o seu interesse na empresa) deve indicar dois a quatro principais motivos que lhe permitirão dar um contributo sólido para a função e para a empresa. Parágrafos do meio Os parágrafos seguintes devem referenciar exemplos concretos de como já utilizou esses pontos fortes para alcançar o sucesso em empregos anteriores, em trabalhos voluntários ou projectos académicos. Parágrafo final No último parágrafo deve expressar um forte interesse em reunir-se com o empregador para explorar melhor as suas capacidades mesmo se não existam vagas de emprego de momento na empresa. Assinatura Não se esqueça...

Read More
Qual é a melhor hora do dia para enviar candidaturas de emprego?
Out31

Qual é a melhor hora do dia para enviar candidaturas de emprego?

Se está à procura de emprego e acha que é indiferente a hora a que envia a sua candidatura para a caixa de correio eletrónico do recrutador, engana-se. Existe uma relação – quase direta – entre o preciso momento em que escolhe enviar o email e as probabilidades de este lhe valer uma entrevista de emprego. As conclusões são da TalentWorks, uma empresa de recrutamento que ajuda candidatos a encontrar e candidatar a ofertas de emprego. A plataforma digital analisou mais de 1.600 candidaturas enviadas a diferentes horas do dia ao longo dos últimos meses e concluiu que a melhor altura do dia para concorrer a uma vaga é entre as 6 e 10 horas da manhã, enquanto a pior altura é entre as 16h e 21h. Os gráficos revelados pela empresa mostram que, durante o início e ‘pico’ da manhã (das 6h às 10h), as probabilidades de conseguir uma entrevista são de 13%, cinco vezes mais altas do que se a enviar a partir do final da tarde. Segundo as contas da empresa, a partir das 10h da manhã, as probabilidades de conseguir ser chamado a uma entrevista baixam 10% a cada 30 minutos que passam, sendo que existem exceções, como a hora de almoço, em que as probabilidades voltam a subir até aos 11%. Leia também: Devo procurar emprego por email ou bater à porta? Das 24h que tem para enviar o currículo, nunca o faça entre as 19h e as 20h, visto ser esse é o período em que as probabilidades de ser chamado são mais baixas (apenas 3%). Ainda segundo as análises da TalentWorks, as probabilidades de conseguir uma entrevista de emprego são 40x mais altas se, além de enviar a candidatura por volta das 10h da manhã, o fizer entre 3 a 4 dias depois da divulgação da vaga disponível. FONTE: Dinheiro...

Read More
Deve procurar emprego por email ou bater à porta?
Out17

Deve procurar emprego por email ou bater à porta?

Na altura de procurar emprego, há quem escolha enviar um email com a candidatura e quem não dispense deslocar-se até à empresa para entregar um currículo em mão. Será uma forma mais eficaz do que a outra? A resposta é sim. Quem faz do seu dia a dia a análise exaustiva de centenas de currículos, como é o caso de Ana Castro Dias, da empresa de recrutamento Michael Page, diz que “o melhor é mandar um email ou ligar”, uma vez que “ir à empresa fisicamente nem sempre funciona muito bem, porque a pessoa responsável pelo processo pode não estar disponível ou pode estar lá e não querer ou ter tempo para nos receber”. À conversa com o Dinheiro Vivo, a consultora sénior reitera que “o melhor é sempre fazer uma candidatura pelas vias normais, ou seja, pelos sites e plataformas convencionais” mas que, antes de o fazer, o candidato deve ter em conta se “está a lidar com uma empresa de recrutamento onde, por exemplo, o volume de candidaturas é muito grande e o tempo de resposta é maior; ou se está a lidar com uma empresa normal que tem o seu departamento de Recursos Humanos e que, em princípio, tem menos processos de recrutamento”. Se estiver a enviar a candidatura para o departamento de Recursos Humanos da Empresa, acrescenta, “é mais fácil enviar um email mais personalizado e com a nota que se candidatou a determinada vaga”. Como marcar a diferença na caixa eletrónica de um recrutador “Não são as cartas de motivação que fazem a diferença, porque vivemos num mundo onde tudo é tão rápido que essas cartas acabam por não ter a devida atenção”, diz desde logo Ana Castro Dias. Assim sendo, e como certamente pretende que a sua candidatura se destaque da concorrência, o melhor que tem a fazer é ser claro, simples e direto. “Se o candidato escrever um email muito sucinto a dizer à empresa que está interessada em determinado cargo porque tem experiência na área, sem dúvida que o mais simples acaba por ser o mais bem sucedido. Isso vale mais que qualquer carta de motivação”, afirma a consultora da Michael Page. Melhor altura do ano para procurar emprego: Não há melhor altura para procurar emprego do que “os períodos antes e logo após as férias”. É nestas alturas que as empresas fazem uma lista daquilo que vão precisar para a sua próxima fase operativa. “Há vários picos de integração nas empresas ao longo do ano. Sem dúvida que os meses de verão não são os melhores. Ainda assim, nos últimos anos, temos visto um acréscimo muito grande de contratações em...

Read More
Qual é o melhor mês para procurar emprego? Não é setembro
Set12

Qual é o melhor mês para procurar emprego? Não é setembro

Pode parecer a altura ideal do ano, dada a rentrée, mas os especialistas em recrutamento têm uma visão diferente. Acabaram-se as férias e setembro marca, além do regresso às aulas, a retoma de funções na maioria das empresas. O oitavo mês do ano pode por isso parecer a altura ideal para enviar currículos, mas os especialistas em mercado laboral dizem que não é bem assim. Apesar de ser em setembro que “as empresas regressam à atividade normal e começam a preparar os objetivos do ano seguinte”, o diretor da Experis (uma das empresas da ManPowerGroup), José Julián Sánchez, lembra, numa entrevista ao El Confidencial, que após a rentrée existe sempre uma fase de análise que dura algumas semanas, sendo por isso outubro o mês ideal para submeter candidaturas. É apenas depois desse processo de avaliação que as organizações definem as suas necessidades em termos de mão de obra para responder aos objetivos definidos internamente. A mesma teoria é corroborada pelo diretor-geral internacional do site Trabajando.es e da HR-Consulting. Também ouvido pela publicação espanhola, Javiér Caparrós diz até que o melhor prazo para procurar emprego não-sazonal estende-se até dezembro. Caparrós ressalva, no entanto, que o trimestre anterior a agosto, ou seja, maio, junho e julho podem ser meses igualmente bons para se candidatar a trabalhar em empresas que, por norma, preferem fechar o processo antes do início do novo ano laboral. Sobre o pior mês para procurar trabalho, as opiniões não divergem: Tanto José Sánchez como Javiér Caparrós concordam que agosto é a pior altura, visto que, historicamente, é a altura em que a grande maioria das firmas tiram férias. Na verdade, em agosto, qualquer grande empresa está de férias”, diz Sánchez, ao que acrescenta Caparrós: “Agosto é um mau mês para iniciar a pesquisa, porque nenhum processo é ativado nas empresas”. Estas perspetivas acabam então por contrariar as conclusões de um estudo feito pela CV-Coach em 2014, onde ficou apurado, no caso do mercado laboral espanhol, que era em setembro que mais de 70% das pessoas enviava currículos às empresas.   Dezembro. O mês da discórdia Apesar das opiniões semelhantes entre os dois representantes das recrutadoras, as visões sobre o último mês do ano dividem-se. Sanchéz diz que dezembro se enquadra no grupo dos bons meses para procurar emprego, mas Caparrós diz que não. “Talvez, para iniciar o processo, dezembro não seja um bom mês. As empresas voltadas para o futuro fecham os orçamentos em setembro, então o processo de seleção começa em outubro, pode ser prorrogado até novembro e em dezembro, geralmente é fechado”, explica o diretor-geral internacional da Trabajando. No entanto, contrasta, “em empresas menos pró-ativas, os...

Read More
Porque é que estudar no estrangeiro pode ajudar a conseguir um emprego mais facilmente
Set05

Porque é que estudar no estrangeiro pode ajudar a conseguir um emprego mais facilmente

Os técnicos de recrutamento são unânimes e consideram que a experiência internacional contribui para diferenciar os candidatos… Durante um processo de recrutamento de emprego, o objetivo dos técnicos de recrutamento é selecionar o candidato mais qualificado e com o perfil profissional mais adequado à cultura organizacional da empresa contratante. Para isso, avaliam tanto as competências técnicas como as características comportamentais de cada participante. Como na hora de selecionar o candidato ideal os recrutadores podem encontrar currículos e perfis muito parecidos, eles acabam por recorrer aos chamados elementos diferenciadores – e a experiência internacional  é um deles. Ter fluência num idioma, demonstrar que se adapta facilmente a uma nova cultura e que é independente pode garantir-lhe uma vaga. Saiba por que razão estudar no estrangeiro pode ajudá-lo a conseguir um emprego: EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL Quem tem oportunidade de estudar no estrangeiro mostra-se mais preparado para conviver com os desafios do mundo dos negócios. Além de aprender um idioma e de conviver diariamente com uma nova cultura, quem participa numa experiência internacional desenvolve capacidades de empenho, independência e aprende a lidar melhor com problemas – requisitos fundamentais para se conquistar um emprego. Ao superar obstáculos, aprende a ponderar as dificuldades, a analisar as questões com mais cuidado e a tomar decisões mais assertivas. IDIOMA Dominar um idioma além do português é fundamental para conquistar uma posição no mercado de trabalho. Quem convive durante meses com uma nova língua, torna-se fluente e ganha destaque nos processos de recrutamento de emprego. A experiência internacional permite que o candidato ouça e que tenha o que conversar diariamente noutro idioma – aprendendo inclusive termos muito usados no ambiente profissional. COMUNICAÇÃO Saber comunicar eficazmente, ou seja, sabendo transmitir bem a sua mensagem sem que os seus ouvintes possam ter interpretações erróneas, é uma das características mais solicitadas nos processos de recrutamento. Quem vai morar num novo país, sem que tenha contacto com pessoas conhecidas costuma desenvolver forçosamente essa habilidade, afinal, precisa de comunicar com quem o rodeia. Falar num outro idioma, inclusive, aumenta a autoconfiança e a possibilidade de fazer networkings mais eficazes. Fonte: Universia Portugal...

Read More
Está à procura de emprego? Conheça as tendências do mercado para 2017
Jul18

Está à procura de emprego? Conheça as tendências do mercado para 2017

Perguntámos a seis especialistas em recrutamento quais as principais tendências para 2017 e que setores e profissões estão a recrutar mais este ano. As empresas estão a recrutar cada vez mais e as ofertas de emprego multiplicam-se, muitas vezes sem uma correspondência direta imediata ao nível dos profissionais especializados disponíveis. Tecnologias de informação (TI), hotelaria e turismo, agricultura, indústria, centros de serviços partilhados, engenharia. Estas são, de acordo com as empresas de recrutamento ouvidas pelo Dinheiro Vivo, algumas áreas-chave onde se verifica maior procura de trabalhadores e, ao mesmo tempo, há uma maior falta de profissionais especializados.   Perguntámos então a seis especialistas em recrutamento quais as principais tendências para 2017 e que setores e profissões estão a recrutar mais este ano. Conheça as suas respostas. Isabel Meireles e Inês Calhabéu, diretoras de recrutamento da Egor no Porto e Lisboa Tendências de recrutamento para 2017 Os domínios de maior procura ao nível de emprego são os tecnológicos. Novas plataformas tecnológicas não param de surgir, e os profissionais de TIC, não chegam para as necessidades presentes: programador, web designer, analista funcional, webmaster, especialista em SEM, em SEO, Trafficker e de Cloud. Também as profissões tecnológicas relacionadas com a criação e desenvolvimento de produtos continuam a ter uma grande procura, pelo que as Engenharias nas suas vertentes de Eletrónica, Eletrotecnia, Mecânica, Automóvel, de Aviação ou mesmo de Recursos Naturais ou Biológicos mantêm níveis de empregabilidade elevados. As funções comerciais, continuam com grande procura e são cada vez mais especializadas e, dado que Portugal se tem destacado como destino de preferência para Centros de Serviços Partilhados os Operadores e/ou Assistentes de Call Center os Customer Assistant, Customer Representative são funções de elevada procura e escassez de profissionais. Recrutamento a crescer O ritmo manteve a tendência de 2016. Os recursos é que têm vindo a escassear, tanto mais que as empresas procuram profissionais cada vez mais especializados e valorizam as competências técnicas que acompanham esta necessidade, a par da exigência no conhecimento de línguas e uma elevada disponibilidade pessoal. Setores com maior procura Uma clara evidência de profissionais para o setor das Tecnologias de Informação e Indústria, para perfis especializados. No setor dos serviços partilhados não estamos a conseguir dar resposta no que respeita a fluência em idiomas estrangeiros nomeadamente o francês, e que resulta do investimento feito por empresas francesas em Portugal Cursos universitários com emprego garantido e a evitar Medicina, Informática, Engenharias, nomeadamente Eletrónica, Eletromecânica, Mecânica e de Gestão Industrial, Matemática Aplicada ou Engenharia Aeroespacial permitem um passe direto para o emprego. Em 2016 e 2017 outras áreas estão a colocar quase a 100% os seus jovens formandos, como o exemplo...

Read More
Quer trabalhar num cruzeiro? Agência portuguesa promove feira de emprego em Lisboa
Jul10

Quer trabalhar num cruzeiro? Agência portuguesa promove feira de emprego em Lisboa

Ao todo serão 20 os expositores nacionais e internacionais, que estarão reunidos a 19 de outubro (2017) no Centro de Congressos do Hotel VIP Arts. É um dos setores da área do turismo com maior taxa de expansão. Em Portugal, devem ser batidos novos recordes este ano. É nesse âmbito que a Agência Portuguesa de Marítimos (APORMAR) vai organizar uma Feira de Emprego em Cruzeiros, no próximo mês de outubro. Em comunicado enviado às redações, a APORMAR revela que face às necessidades do setor, e às oportunidades que o turismo de cruzeiros representa em termos de emprego para os portugueses, decidiu juntar durante um dia no mesmo espaço “os marítimos e as pessoas que querem trabalhar em navios, as companhias que promovem o emprego a bordo dos mesmos e as empresas / instituições que prestam serviços no domínio marítimo”. Ao todo serão 20 os expositores nacionais e internacionais, que estarão reunidos a 19 de outubro no Centro de Congressos do Hotel VIP Arts, no Parque das Nações em Lisboa. No congresso são esperados 500 a 700 visitantes, entre profissionais e estudantes. Confirmados estão já os expositores de empresas como a Viking Recruitment, MSA Maritime Skills Academy, P&O Ferries, Cunard Cruise Line , P&O Cruises e Carnival UK. A APORMAR lembra que a taxa anual de crescimento da indústria de cruzeiros ronda os 7% desde 2009 e que o setor precisa de pelo menos 100 mil novos...

Read More
Mais de 135 vagas para trabalhar em Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia por todo o país
Jun20

Mais de 135 vagas para trabalhar em Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia por todo o país

São várias as ofertas de emprego, em diversas áreas, para trabalhar em Câmaras Municipais, Juntas de Freguesias e Universidades, um pouco por todo o país! As ofertas estão disponíveis no portal do BEP (Bolsa de Emprego Público) que tem como objetivo construir-se como uma base de informação que permita simplificar e dar mais transparência aos variados processos de recrutamento da administração pública. Esta ferramenta online facilita o utilizador para poder encontrar os diversos processos abertos, e atualmente existem no total 138 processos de recrutamento a decorrer na administração pública, por todo o país! Veja aqui as vagas disponíveis....

Read More