Como melhorar o seu LinkedIn para encontrar emprego
Jul17

Como melhorar o seu LinkedIn para encontrar emprego

Na hora de procurar emprego é preciso ter as armas limpas e conhecer bem os alvos para os quais queremos disparar. Ou seja, de nada lhe vale ter um currículo igual aos outros e enviá-lo de forma repetitiva e aborrecida para os recrutadores. Diferenciação é uma das chaves do sucesso e, apostar nos perfis das redes sociais pode ser uma boa ajuda. O LinkedIn é a rede social ideal para perfis profissionais e que o ajuda a entrar em contacto com o mundo laboral.   Como melhorar o seu LinkedIn para encontrar emprego   1. A força da fotografia A fotografia é o primeiro impacto do perfil, por isso vale a pena apostar nela e até ter uma fotografia tirada por um profissional, embora recomendado, é opcional. É muito importante que esta fotografia seja formal e reflita o candidato e que na mesma a roupa e os acessórios usados sejam idênticos aos que utilizaria no contexto profissional. 2. O papel do headline É fundamental definir a sua audiência e transmitir de modo sucinto o que o distingue, com o seu toque pessoal, e que possa ser relevante para o recrutador. Incluir a função que exerce e as áreas que domina podem ajudar a aumentar as hipóteses de ser incluído em pesquisas de potenciais recrutadores. 3. A experiência profissional Na hora de recrutar, as empresas valorizam as experiências profissionais bem detalhadas, um histórico claro da carreira em cada empresa por onde o candidato passou, o título da função e os detalhes sobre as responsabilidades e os respetivos resultados. 4. Descrição da empresa Incluir a descrição da empresa onde se trabalhou também pode ajudar, sendo que muitas vezes este aspeto é uma mais-valia. 5. Criar rede e interagir Na vida pessoal como na profissional, é importante identificar as pessoas certas para a rede profissional, aprender a partilhar conteúdo útil e construir relações duradouras. É fundamental saber quais as pessoas que poderão aportar valor à rede do candidato. Tipicamente, líderes do setor de trabalho, clientes, colegas e recrutadores são um bom primeiro passo e partir daqui é importante estabelecer o critério para a expansão da rede, mantendo a máxima de qualidade melhor do que quantidade. 6. Saber qual o conteúdo a partilhar Partilhar conteúdo é das formas mais eficazes de um candidato se destacar. É importante começar por comentar e partilhar com regularidade conteúdos/tópicos relevantes para o candidato, assim como partilhar as próprias ideias sobre esses mesmos temas e acompanhar se a interação em rede cresce. 7. Recomendações Desta forma os recrutadores podem ver que o candidato traz valor-acrescentado para as empresas e que trabalhar com determinada pessoa é uma experiência positiva....

Read More
Apresentação do PortalEmprego.pt
Jul03

Apresentação do PortalEmprego.pt

Procura de emprego em Portugal O PortalEmprego.pt está de volta! Tem uma nova imagem mais atrativa e novas funcionalidades mais adequadas às necessidades dos utilizadores.   O PortalEmprego.pt pretende fornecer aos seus utilizadores um serviço gratuito, de grande qualidade e de fácil utilização, constituindo-se como um ponto de encontro por excelência para os candidatos que procuram emprego e para as empresas que disponibilizam as suas ofertas, tendo por finalidade proporcionar a ambas as partes uma forma rápida, simples e eficaz de alcançar os seus objectivos. Após algum tempo de inactividade as funcionalidades para os candidatos foram reestabelecidas, sendo possível neste momento não só exportar o CV Europass no formato PDF mas também em OpenOffice e Word caso o queira retocar manualmente. Em apenas alguns meses as ofertas disponíveis passaram de 400 para mais de 5000 ofertas activas reforçando a trajectória para se estabelecer como referência na oferta e procura de emprego em Portugal. Visite PortalEmprego.pt...

Read More
Procura emprego? Portugal tem falta de pessoas nestas 12 profissões
Jun05

Procura emprego? Portugal tem falta de pessoas nestas 12 profissões

O relatório do “World Economic Forum” estima que até 2020 sejam extintos cinco milhões de postos de trabalho, apesar de estarem também previstos a criação de dois milhões de empregos. Em Portugal, o Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável (BCSD) elaborou um questionário a 47 empresas que fazem parte deste grupo e identificou as 12 profissões onde existem mais falta de pessoas no nosso país, dividas por cinco áreas: engenharia tecnológica; comercial, marketing e comunicação de informação; ciências económicas; operações e logística, e automação. No ramo da engenharia tecnológica, são três as profissões em falta: técnicos de redes, programadores e analistas de sistemas. Na área comercial, marketing e comunicação existem duas profissões: técnicos de gestão de relacionamento com o cliente (CRM) e e-commerce. Nas ciências económicas duas profissões: gestores de risco e controllers de gestão. No âmbito das operações e logística também são duas as profissões: técnicos de operação logística e responsáveis de entreposto logístico. Por fim na área da automação faltam profissionais em três setores: técnicos de robótica, programadores de máquinas robotizadas (CNC) e programadores de automação. FONTE: Jornal...

Read More
Saiba que cursos vão ter mais saída daqui a 3 anos
Jun05

Saiba que cursos vão ter mais saída daqui a 3 anos

Que cursos vão ser mais procurados pelo mercado daqui a três anos? Procurar resposta para a pergunta já hoje poderá ajudar em muito o jovem que vai entrar no ensino superior no próximo ano letivo. O que interessa, agora, é perceber as exigências do mercado quando o hoje jovem candidato sair da universidade ou do politécnico com o canudo debaixo do braço. A empregabilidade é um fator a considerar na escolha do curso. Outro fator, igualmente decisivo, é a paixão. O Jornal Económico falou com José Paiva, co-fundador da Landing.jobs sobre as tendências do mercado nos próximos anos. A Landing.jobs, que organiza a iniciativa Landing.festival, opera no mercado de recrutamento tech em sete países: Alemanha, Reino Unido, Espanha, Itália, Holanda e Portugal. Que profissões vão ter mais saída daqui a 3 anos? Os programadores vão ser a profissão onde irá existir maior volume de procura pela sua dimensão no mercado de TI (tecnologias de informação). No entanto, no que diz respeito ao nível de crescimento exponencial da procura destaco as profissões relacionadas com dados: Data Arquitect (para construir os grandes repositórios de dados), Data Analyst (para analisar esses repositórios), Data Scientist (para criar modelos previsionais com a informação existente) e Data Security. Quais são as áreas das novas tecnologias com mais escassez? Todas as áreas novas onde existe défice ao nível da formação de profissionais, como por exemplo: Artificial Intelligence, Data Scientist, Internet-of-things. Como se pode um jovem candidatar? Existem soluções no mercado, como a Landing.jobs, que são orientados ao candidato e têm como missão ajudá-lo a encontrar a oportunidade de emprego que mais se adequa aos seus interesses. Qual a tendência em termos de subida das remunerações? As remunerações em Portugal vão ter um crescimento considerável. Diria que serão entre 15% a 30% nos próximos 3 anos. FONTE: Jornal...

Read More
Está desempregado? Tem até ao final do mês de Maio para se candidatar a um estágio profissional
Mai15

Está desempregado? Tem até ao final do mês de Maio para se candidatar a um estágio profissional

O segundo período de candidaturas de 2018 da Medida Estágios profissionais já arrancou, anunciou o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) no seu site. O período de candidatura prolonga-se até às 18h do dia 1 de junho de 2018. A medida está acessível a todas as pessoas “singulares ou coletivas de natureza privada, com ou sem fins lucrativos”, de acordo com o aviso de abertura do programa. A candidatura à medida é efetuada através do recém-lançado portal ‘iefponline’. Os estágios têm a duração de nove meses e dirigem-se a desempregados inscritos no IEFP, sobretudo jovens entre os 18 e os 30 anos de idade ou desempregados de longa duração (há mais de 12 meses no desemprego), entre outras situações. Os estagiários têm direito a uma bolsa mensal, que varia em função do seu nível de qualificação. O IEFP apoia no pagamento da bolsa (suporta 65% ou mais destes valores, dependendo da tipologia do destinatário e do promotor) e a entidade empregadora cobre a parte restante dos custos. A Medida Estágios Profissionais foi criada para reforçar e “apoiar a inserção de jovens no mercado de trabalho e a reconversão profissional de desempregados através de uma experiência prática em contexto de trabalho”. O IEFP tem disponível uma verba de 45 milhões de euros para a medida, que prevê vir a apoiar cerca 8.400 estágios. Durante o segundo período de candidatura será possível submeter também o pedido de Prémio ao Emprego, “apoiando a celebração de contratos de trabalho sem termo, relativos à contratação de ex-estagiários das medidas Estágios Emprego, Estágios de Inserção e...

Read More
Principais erros que os candidatos cometem nos grupos de emprego nas redes sociais
Mar27

Principais erros que os candidatos cometem nos grupos de emprego nas redes sociais

Há muito que as oportunidades de emprego deixaram de ser divulgadas apenas nos formatos de papel, como as páginas dos jornais ou nos editais dos centros de emprego. Com o crescimento da internet proliferam também, não apenas os portais de emprego online, bem como centenas de grupos nas redes sociais (Facebook), com vista a ajudar quem procura emprego. A oferta é já muita: grupos de emprego privado, comunidades mais abertas; grupos ou páginas mais locais/regionais, outros grupos mais orientados de acordo com a área de formação (marketing, design, engenharias, arquitetura, restauração, etc). Nestes grupos, e de acordo com o target de cada um, milhares de anónimos vão partilhando as ofertas de emprego com as quais se deparam no dia a dia e as empresas divulgam as suas necessidades laborais. E perante esta nova realidade aqui descrita, o principal a reter resume-se a 4 pontos: Quem divulga determinada oferta muitas vezes não sabe mais nada sobre a oferta para além daquilo que escreveu. Compete ao potencial interessado procurar mais informação, seja através do contacto direto à empresa mencionada, seja clicando nas ofertas publicadas. Compete ao potencial interessado procurar mais informação Muitas vezes basta um simples clique no post divulgado para ficar a saber toda a informação pertinente: tipo de contrato, horário, principais requisitos, etc. Experimente clicar no post e consultar toda a informação disponível Não adiantar comentar que está interessado e ficar depois a aguardar depois que alguém o contacte. Isso dificilmente vai acontecer. Se está verdadeiramente interessado informe-se. Entre no anúncio e veja de que forma se pode candidatar. Haverá certamente um contacto: email, ficha de inscrição, etc. Não comente que está interessado e fique depois de braços cruzados Nunca, mas mesmo nunca deixe o seu número de telemóvel na divulgação de uma oferta de emprego. Não vai ser contactado e nunca se sabe o que poderão fazer com esse dado pessoal. Não corra riscos desnecessários! Uma vez mais, a única forma de se candidatar às ofertas de emprego divulgadas nestes grupos é seguindo as instruções do anúncio. NUNCA deixe o seu número de telemóvel visível para toda a comunidade   FONTE:...

Read More
Cerca de 80% das vagas de emprego são invisíveis. Como encontrá-las então?
Fev20

Cerca de 80% das vagas de emprego são invisíveis. Como encontrá-las então?

Na hora de procurar uma oferta de trabalho e proceder à candidatura a uma vaga, não é certo que se tenha acesso a todas as oportunidades disponíveis. O mais provável é que a maioria dos anúncios de emprego não seja publicada online. São as chamadas ofertas de trabalho invisível. A publicação espanhola Expansión, revela que 80% das ofertas reais de emprego são invisíveis ou seja, não chegam ao conhecimento do candidato comum. São vagas que são anunciadas de forma interna nas empresas ou através de uma rede de contatos restrita. O diretor geral da Experis – ManpowerGroup, empresa de Recursos Humanos, revela que “a maioria das ofertas são conhecidas, embora exista um mercado oculto, porque há sempre ofertas que dependem da confidencialidade e da confiança”, esclarece ao jornal espanhol. José María Gasalla, professor e especialista, afirma que as referências continuam a ter muito peso nos processos de seleção. De acordo com os conselhos de especialistas na área, há várias maneiras de conseguir contornar os obstáculos e ter acesso ao lado menos conhecido dos recrutamentos. Dicas para encontrar as vagas de emprego invisíveis 1. Defina quem é e para onde quer ir Seja claro sobre a sua marca pessoal e conheça bem os setores nos quais pretende trabalhar. 2. Os contatos são a chave O segredo, de acordo com os especialistas, é cultivar uma boa rede de contatos dentro da área para que, assim que surja uma vaga, seja informado diretamente por eles. 3. Faça uma pesquisa sobre a empresa Tente perceber de que forma funcionam os processos de recrutamento na empresa que ambiciona. Estude a metodologia, os exemplos e procure estar informado. 4. Envolva-se no meio Relacione-se com as pessoas da área, vá a eventos da indústria e aproxime-se do seu objetivo. 5. Dê-se a conhecer Utilize redes sociais como o LinkedIn de forma a mostrar o seu trabalho e criar conexões dentro da sua área. Depois dos contatos virtuais vêm os pessoais.   FONTE: Dinheiro...

Read More
Como tirar partido das novas tecnologias na procura de emprego?
Jan30

Como tirar partido das novas tecnologias na procura de emprego?

Sermos ativos, seguir publicações, bem como partilhar artigos ou notícias relevantes pode também ser uma forma de nos destacarmos e de atrair a atenção de potenciais “head hunters”. Num mundo cada vez mais global, a internet assume hoje um papel privilegiado no contexto profissional. Na ordem do dia passam a estar temas como: a exposição do perfil pessoal/profissional a um universo incomensurável de interlocutores, a facilidade de acesso à informação quanto a novas oportunidades de emprego, o acompanhamento ao minuto de novas publicações e a necessidade de tornar ágil a procura de novos desafios. Há, deste modo, cuidados a ter na forma como nos apresentamos no mundo virtual de forma a conseguirmos tirar o máximo de partido dos contactos que vamos estabelecendo. Por um lado, é sempre importante termos em mente que a separação entre o foro pessoal e profissional torna-se praticamente impossível quando as políticas de privacidade, ou a falta delas, que temos associadas às contas das nossas redes sociais permitem que qualquer interlocutor tenha acesso às publicações que partilhamos. Tendo especial cuidado com estas questões de privacidade, não poderemos nunca esquecer que uma rede de “networking” alargada faz com que a informação disponibilizada possa, ainda assim, chegar a pessoas que não conhecemos. Estas poderão eventualmente ser nossos futuros colegas, chefes… Dito isto, é sempre prudente estarmos confortáveis com a possibilidade de os perfis nas redes sociais poderem ser vistos por qualquer pessoa, sem que isso afete negativamente a reputação ou a imagem que pretendermos ter no mercado de trabalho. > Como ferramenta preferencial na pesquisa de emprego destaca-se hoje o Linkedin. Ter um perfil completo, profissional e com informação fidedigna é crucial. É absolutamente relevante que as datas das experiências profissionais correspondam à realidade, que as principais responsabilidades estejam discriminadas em cada uma das funções e que o aspeto global do perfil tenha um cunho vincadamente profissional. O alargamento contínuo da rede de contactos, adicionando profissionais da mesma área de atuação, profissionais de recursos humanos ou outros que possam ter, pelo menos aparentemente, poder decisório nas organizações, é também uma forma de conseguirmos ter acesso a mais e mais informação, facilitando a procura de novas oportunidades. Mas não apenas quando procuramos ativamente uma mudança! Numa fase de maior estabilidade profissional podemos sempre aproveitar para ir também alargando essa rede e assim facilitar potenciais buscas futuras. Uma navegação constante por esta rede social também permite um maior conhecimento do mercado, concretamente empresas que poderíamos até desconhecer e que poderão ser extremamente interessantes até para o desempenho das nossas funções atuais. Sermos ativos, seguir publicações, bem como partilhar artigos ou notícias relevantes pode também ser uma forma de nos...

Read More
4 dicas para encontrar o primeiro emprego em 2018
Jan16

4 dicas para encontrar o primeiro emprego em 2018

Há dicas que podem ajudar acelerar o processo para conseguir uma oportunidade de emprego na sua área… Sem experiência profissional torna-se mais difícil conseguir uma boa oportunidade de emprego na sua área de formação. É por isso mesmo que é importante aproveitar bem os anos que está na universidade para apostar também em estágios curriculares ou profissionais. Não é fácil sair da faculdade e procurar o primeiro emprego apenas com o currículo. Por mais que um candidato recém-licenciado tenha feito estágios, e até tenha conseguido acumular experiência na área, para ser selecionado para a vaga precisa ainda de passar com distinção na entrevista e nas dinâmicas apresentadas ao longo do processo de recrutamento. Passar estas últimas fases torna-se mais fácil com algum foco e trabalho e para isso deixamos aqui algumas dicas: Use a entrevista para demonstrar que cumpre todos com todos os requisitos mínimos exigidos A grande maioria dos recrutadores pondera fatores como o desempenho académico, as atividades extracurriculares e a vida social. Os candidatos que se destacam, são aqueles que demonstram interesse em construir carreira e que esperam subir de posto rapidamente, pois são por norma aqueles que estão dispostos a trabalhar mais arduamente. Tente comprovar todas as suas competências apresentadas no currículo nas entrevistas iniciais sejam elas presenciais ou por telefone. Lembre-se que os candidatos que se destacam nas entrevistas são aqueles que sabem apresentar exemplos reais de trabalho em equipa em vez de recorrerem a cenários hipotéticos. Conheça bem a empresa à qual se candidata Antes da entrevista não se esqueça de fazer o trabalho de casa e de estudar cuidadosamente os sites oficiais e as redes sociais das empresas às quais se candidata. Pode, por exemplo, perguntar em grupos fechados de emprego associados à área de emprego. Ainda que o tipo de informação disponível varie de empresa para empresa, é possível analisar questões importantes, como os valores ou a área de atuação e mercados. Porque é que se está a candidatar a esta vaga? Algumas empresas estão a dar preferência a recém-licenciados, muitas estão a apostar mais em colaboradores qualificados, mas é preciso que tenha vontade de vestir a camisola. Aceitar um posto de trabalho para o qual não se sente motivado ou capaz de assumir pode ser um risco, pois a maioria das empresas consegue detetar a motivação, ou a falta dela, dos seus colaboradores. Saia fora da Caixa Os empregadores valorizam candidatos sociáveis e dispostos a arriscar, saindo fora da caixa para se destacar dos restantes candidatos. Os candidatos mais ousados conseguem atingir mais facilmente os seus objetivos e metas. No mercado de trabalho, não há espaço para timidez e atitudes inseguras....

Read More
Dicas para encontrar emprego depois dos 40
Jan09

Dicas para encontrar emprego depois dos 40

Se tem mais de 35/40 anos e está desempregada, ou receia poder vir a estar nessa posição, então este artigo é para si. A ideia é tentar perceber quais são os maiores erros que cometem as pessoas que se veem nesta situação (para evitar que os perpetuem) e também ficar a saber como podem aumentar a sua empregabilidade. Afinal, um país que não consegue renovar a sua população, que está a envelhecer, não pode dar-se ao luxo de ignorar esta franja da população ativa que além de qualificada tem experiência. Sentido proibido “Mandar currículos para todo o lado, responder a todo o tipo de anúncios, procurar opções sem parar para pensar. É o erro de muitas pessoas, isso não resulta. Houve uma alteração grande na sua vida, por isso tem de haver sempre um tempo em que a pessoa tem de parar para pensar. Em vez de caminharmos sem direção certa, há que ter uma visão clara daquilo que temos para oferecer e do que queremos para delinearmos estratégias”, aconselha Alexandra Vinagre, Coach e autora do livro ‘Até Onde Quer Chegar’. Mesmo que queira manter-se na mesma área de trabalho, deve perceber como pode potenciar as suas competências. Se quiser mudar de área, convém averiguar quais são as novas competências que tem de adquirir, assegura a coach. Para Maria Emília Azevedo, Diretora Coordenadora de R&S, Outsourcing e Handling da RHMais, o erro mais comum que as pessoas desempregadas cometem é ficarem paradas e ‘fechar-se’. Laura Acciaioli, especialista em gestão de recursos humanos, Change Catalyst e, nos últimos 3 anos, Fashion Bloomer, também desaconselha as pessoas a precipitarem-se na procura um novo trabalho. A seguir a uma situação de desemprego, “o que acontece imediatamente é uma sensação de medo e insegurança, seguida de urgência em voltar a sentir segurança e tranquilidade. É uma situação que ativa todas as nossas defesas (de sobrevivência, defesa, ataque) e, se não acautelarmos determinadas atitudes, podemos perder o norte e tomar decisões precipitadas ou deixar-nos cair num estado de paralisia. Aconselho sempre uma coisa: tirar um tempo. Pode ser uns dias, um mês, vários. Este tempo é necessário, é o ‘luto’, precisamos de tempo para digerir a situação, aceitá-la, ver o que podemos ganhar com o novo cenário e planear uma solução”. Sentido obrigatório Será que eu valho alguma coisa? No que foi que eu errei? Porque de repente o meu trabalho já não tem valor? O que construí na minha vida? Estas são algumas das perguntas que assolam mesmo a pessoa mais confiante do mundo no momento em que é despedida. É sempre uma machadada na sua autoestima. Para não entrar nesta espiral, eis...

Read More
Como escrever uma Carta de Apresentação a uma empresa que não está a recrutar
Nov14

Como escrever uma Carta de Apresentação a uma empresa que não está a recrutar

A carta de motivação, também conhecida como carta de apresentação, pode ser enviada para uma empresa onde gostaria de trabalhar, mesmo que esta não tenha anunciado vagas de emprego. Este tipo de carta ou texto pode ser enviado via email, sistema de mensagens do LinkedIn, ou ainda em papel, por correio. Escrever uma carta de motivação Se possível, identifique a pessoa responsável pelo departamento onde gostaria de trabalhar e envie-lhe uma cópia da sua apresentação ao mesmo tempo que envia outra para o departamento de Recursos Humanos da empresa. Quem conhece na empresa? Antes de escrever a sua carta, reveja a sua rede de contactos para perceber se tem ligação com alguém que trabalhe na sua empresa-alvo. O LinkedIn é uma excelente ferramenta para o fazer. Por exemplo, se é licenciado, procure ex-alunos da sua faculdade que possam estar a trabalhar na empresa que lhe interessa. É um bom ponto de partida. Peça um contacto e referências Se conseguir identificar alguém da empresa na sua rede de contactos, pergunte-lhe qual a melhor forma para conseguir chegar à fala com a pessoa responsável pelo recrutamento. Se não houver departamento de recursos humanos pergunte-lhe com quem deverá entrar em contacto para mostrar o seu interesse em trabalhar naquela empresa. E se tiver confiança para isso, pergunte-lhe mesmo se pode interceder por si e indicar o seu nome para uma futura contratação na empresa. Diga também que está a escrever uma carta de motivação e pergunte-lhe se há a possibilidade de mencionar o seu nome nessa mesma carta. O que incluir na sua carta de apresentação A carta de apresentação deve começar com por explicar o seu interesse na empresa. Pode, por exemplo, dizer que o desenvolvimento da empresa despertou o seu interesse. É muito importante que refira o tipo de função e departamento em que está interessado ou a sua comunicação com a empresa irá ficar por ali. Saudação A sua carta deve começar com uma saudação profissional. Se sabe o nome da pessoa de contacto, dirija-se a ela pessoalmente. Primeiro parágrafo O seu primeiro parágrafo (depois de indicar o seu interesse na empresa) deve indicar dois a quatro principais motivos que lhe permitirão dar um contributo sólido para a função e para a empresa. Parágrafos do meio Os parágrafos seguintes devem referenciar exemplos concretos de como já utilizou esses pontos fortes para alcançar o sucesso em empregos anteriores, em trabalhos voluntários ou projectos académicos. Parágrafo final No último parágrafo deve expressar um forte interesse em reunir-se com o empregador para explorar melhor as suas capacidades mesmo se não existam vagas de emprego de momento na empresa. Assinatura Não se esqueça...

Read More
Qual é a melhor hora do dia para enviar candidaturas de emprego?
Out31

Qual é a melhor hora do dia para enviar candidaturas de emprego?

Se está à procura de emprego e acha que é indiferente a hora a que envia a sua candidatura para a caixa de correio eletrónico do recrutador, engana-se. Existe uma relação – quase direta – entre o preciso momento em que escolhe enviar o email e as probabilidades de este lhe valer uma entrevista de emprego. As conclusões são da TalentWorks, uma empresa de recrutamento que ajuda candidatos a encontrar e candidatar a ofertas de emprego. A plataforma digital analisou mais de 1.600 candidaturas enviadas a diferentes horas do dia ao longo dos últimos meses e concluiu que a melhor altura do dia para concorrer a uma vaga é entre as 6 e 10 horas da manhã, enquanto a pior altura é entre as 16h e 21h. Os gráficos revelados pela empresa mostram que, durante o início e ‘pico’ da manhã (das 6h às 10h), as probabilidades de conseguir uma entrevista são de 13%, cinco vezes mais altas do que se a enviar a partir do final da tarde. Segundo as contas da empresa, a partir das 10h da manhã, as probabilidades de conseguir ser chamado a uma entrevista baixam 10% a cada 30 minutos que passam, sendo que existem exceções, como a hora de almoço, em que as probabilidades voltam a subir até aos 11%. Leia também: Devo procurar emprego por email ou bater à porta? Das 24h que tem para enviar o currículo, nunca o faça entre as 19h e as 20h, visto ser esse é o período em que as probabilidades de ser chamado são mais baixas (apenas 3%). Ainda segundo as análises da TalentWorks, as probabilidades de conseguir uma entrevista de emprego são 40x mais altas se, além de enviar a candidatura por volta das 10h da manhã, o fizer entre 3 a 4 dias depois da divulgação da vaga disponível. FONTE: Dinheiro...

Read More